EmpresarialInovação

Seu e-commerce adequado à LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados não foi criada para evitar que empresas coletem dados pessoais, muito menos para impedir a manutenção de dados pessoais de clientes, ela existe para determinar como os dados pessoais podem ser coletados, armazenados, eliminados, entre outras atividades.

O e-commerce não ficou de fora desta adequação, de modo que, a forma de coleta e uso dos dados dos seus clientes, deve seguir as novas regras impostas pela legislação.

Respeitando os princípios previstos em Lei, o E-commerce deve tratar apenas dados essenciais ao exercício de suas atividades, muitas vezes por meio de autorização do titular de dados e sempre com a indicação da finalidade a que se destina aquele tratamento, dizendo de forma clara a razão da coleta do dado pessoal e descrevendo como será realizado o seu tratamento.

Lembrando que: os dados pessoais são dos titulares de dados e não do E-commerce

Portanto, os dados devem ser tratados conforme o a finalidade informada e não de forma indiscriminada, “do jeito que a empresa quiser”.

A finalidade deve ser respeitada e caso seja alterada, essa mudança deve ser informada ao titular de dados, o qual possui o direito de se opor ao novo tratamento de seus dados pessoais, solicitando o cancelamento e a eliminação dessas informações.

Toda forma de tratamento de dados deve ser transparente. Portanto, deixo aqui uma dica: utilize sua política de privacidade para informar como é realizado o tratamento de dados pessoais.

E cuidado com modelos prontos que existem na internet. Cada política deve ser elaborada conforme o tratamento de dados realizado pela empresa, ou seja, deve ser específica para o seu negócio, afinal sua empresa não é igual as outras que estão no mercado.